terça-feira, 26 de agosto de 2014

Motivos para usar o celular na sala de aula


Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/2014-08-26/10-dicas-e-13-motivos-para-usar-celular-na-aula.html

Autorização para uso de imagens

(NOME DA ESCOLA)

AUTORIZAÇÃO PARA USO DE IMAGENS


Eu___________________________________________________________,responsável  pelo aluno(a)_____________________________________________________________________, da turma ______________, autorizo que fotos e filmagens que incluam meu/minha filho (a) sejam feitas e utilizadas:

A) pela equipe da escola para fins pedagógicos;
B) para fins de divulgação do trabalho da escola ( informativos, encartes, folders, jornais internos e/ou semelhantes).
C) para fins de publicação no Blog da escola: 
D) para fins de divulgação no Facebook da escola: 

Estou ciente de que as imagens serão usadas apenas para fins pedagógicos e não comerciais, resguardadas as limitações legais e jurídicas.

Número de telefone fixo/celular: __________________/______________________


__________________________________________
Assinatura do responsável


Nova Iguaçu, _______de__________________de 2014.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Saúde faz palestra sobre meningite no Parque das Palmeiras



A Divisão de Saúde Coletiva, da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil (Semusdec), promoveu nesta quarta-feira (03/10) uma série de palestras sobre meningite para alunos, pais, profissionais de educação e moradores da comunidade no entorno do CIEP 387 -Hans Christian Andersen, no bairro Parque das Palmeiras. O encontro promovido pelos agentes da Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica (CVE) teve como objetivo esclarecer e conscientizar a população local sobre a doença. O bairro teve no último domingo um caso de meningite confirmado trazendo muitas dúvidas e preocupações aos responsáveis sobre o envio dos alunos a unidade de ensino.

A CVE, além dos esclarecimentos, informou ainda que realiza monitoramento e alertas constantes dos casos de meningite em Nova Iguaçu, não havendo evidências de surto ou epidemia no município. A vacina e medicamentos contra a doença estão disponíveis na rede pública municipal. O encontro contou ainda com a participação de profissionais de saúde do Posto de Saúde da Família (PSF) do bairro. A bióloga Alzeli Barreira dos Santos traçou um perfil sobre a meningite para os participantes do encontro que lotaram o auditório do CIEP 387. Explicou o que é a doença que inflama as meninges, que são as membranas que recobrem o cérebro e a medula espinhal. Seus principais sintomas: febre, dor de cabeça, náuseas, vômitos e rigidez na nuca.

"A primeira coisa a fazer é procurar um médico, no posto de saúde mais próximo, evitar a auto-medicação, e posteriormente ser encaminhada para o hospital de referência, aqui no município o Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI). É importante diagnosticar a doença o mais rápido possível e iniciar o tratamento imediatamente. Quanto mais cedo, maiores as chances de cura. A grande maioria dos casos tem cura, sem deixar seqüelas", destaca a bióloga, que lembrou ainda é importante manter os locais limpos e arejados. O fato de ocorrer um caso de meningite numa escola não quer dizer que o transmissor foi um aluno. Pode ter sido qualquer pessoa que teve contato com o doente. Não havendo necessidade de fechar a escola, suspender as aulas, nem interromper outras atividades do dia-a-dia. Nada disso altera o número de casos de meningite.

A forma de transmissão ocorre através do contato íntimo, como beijo, ou através de secreções expelidas pela fala, tosse ou espirro. Praticamente não existe transmissão por intermédio do ar ou de objetos, pois o meningococo não sobrevive mais do que alguns minutos fora do organismo. Quando surge um caso de Meningite Meningocócica, existe também a forma bacteriana, a Divisão de Saúde Coletiva de Nova Iguaçu fornece os medicamentos necessários. A vacina só é indicada na ocorrência de uma epidemia. Lembrando que a vacinação (tetravante) contra a doença faz parte do Calendário Básico de Vacinação das Crianças.

"Encontros como estes são importantes, uma vez que existia um temor nosso em enviar os filhos para a escola. Faltava este esclarecimento sobre as formas de contágio da meningite e a sua forma de transmissão", afirmou a dona de casa Joana Pereira da Silva.

domingo, 26 de agosto de 2012

Revolução Industrial - PPT

Esta apresentação foi desenvolvida no Laboratório de Informática pelas turmas 802 e 803 do CIEP 387,  durante as aulas de História da Profª Tricia.

Todos os alunos apresentaram seu PPT para a turma, e estão todos de parabéns!!!

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Fórum SM de Educação - 24/04/2012

O Fórum SM de Educação é promovido por Edições SM como parte das atividades voltadas ao incentivo da formação continuada e à valorização dos professores. Com duas abordagens diferentes, que se complementam e fazem parte dos desafios cotidianos do educador, o evento discutiu questões como a importância do desenvolvimento da autonomia plena dos alunos e também o papel do professor como protagonista desse projeto de educação.

Fonte: Edições SM

Os professores participantes compõem o quadro do 1º Segmento do Ensino Fundamental e a Coordenação Pedagógica de nossa escola:


Professoras Rosângela, Osmarina e Carmen.
Professoras Ana Lúcia, Vera e Eliete.


Professoras Márcia e Rosângela.

Professoras Carmen, Dayse e Mariza.

Professoras Mônica, Diahcui, Mariza e Dayse.

Professora Osmarina.

Professoras Eliete, Carmen, Dayse e Mariza.

Auditório.



Professora e Coordenadora Pedagógica Eliete.

Professoras Mônica e Ana Lúcia com a atenção voltada à palestra.

Exposição Tarsila do Amaral para encerrar o encontro.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Qual é a diferença entre "esse" e "este" e quando empregar os dois termos?


Bruna Nicolielo   (bruna.nicolielo@abril.com.br). Com reportagem de Rita Trevisan

Pergunta enviada por Sara Barbosa, São Paulo, SP
"Esse" é usado para retomar um termo, uma ideia ou uma oração já mencionados, como no exemplo a seguir: "A Terra gira em torno do Sol. Esse movimento é conhecido como translação". "Este", por sua vez, introduz uma ideia nova, ainda não mencionada, como podemos observar na frase "Este argumento de que os homens não choram é ultrapassado".
"Este" também pode indicar proximidade do falante, enquanto "esse" nos dá a ideia de proximidade do ouvinte. Vejamos as frases: a) "Este sapato me pertence", b) "Quando você comprou esse sapato que está usando?". Em (a), o sapato é de quem fala e, portanto, está mais próximo dele. Em (b), o sapato é do ouvinte.

Os dois termos são classificados pela gramática como pronomes demonstrativos e são usados quando o falante quer esclarecer a identidade de um referente (nome), retomar conteúdos e localizálo no tempo e no espaço. Entre essas funções, a mais importante é a de retomar ideias já mencionadas e ajudar na articulação do texto. A regra é basicamente a mesma para "deste" e "desse", "isto" e "isso" e "disto" e "disso".

Consultoria Sandra Quarezemin, doutora em Linguística e professora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). 

Fonte: Nova Escola
Acessado em: 21/02/2012